Exploração aurífera antiga no rio Ponsul (Castelo Branco): novos dados

Tipología: 
Actas de congreso
Título del volumen: 
II Congresso Internacional de Arqueologia da região de Castelo Branco nos 100 anos da Sociedade dos Amigos do Museu de Francisco Tavares Proença Júnior
Editores del volumen: 
Vilaça, Raquel (coord.)
Localidad: 
Castelo Branco
Editorial: 
Sociedade dos Amigos do Museu de Francisco Tavares Proença Júnior
Año: 
2016
Páginas: 
307-323
ISBN: 
978-989-8289-71-1
Sinopsis de contenido: 

[Resumo proveniente da fonte]

Em 2010, no VI Simpósio Sobre a Mineração e Metalurgia Históricas no Sudoeste Europeu, realizado em Vila Velha de Ródão, foi apresentada uma comunicação com o título Mineração aurífera antiga, a céu aberto, no centro e sul do distrito de Castelo Branco, da responsabilidade de Francisco Henriques, Carlos Batata, Mário Chambino, João Carlos Caninas e Pedro Proença Cunha. Esta intervenção sumariou as várias áreas de extracção de ouro a céu aberto - vulgarmente e insuficientemente nomeadas como conheiras -, atribuíveis à romanização, existentes ao longo dos principais cursos de água que atravessam este território. Naquele trabalho, e ao contrário do panorama identificado noutros rios (Erges, Aravil, Ocreza e Tejo), o Ponsul apresentava uma única área, designada por Ponte do Ponsul. Para colmatar esta ausência executou-se, posteriormente, trabalho de prospecção ao longo das margens daquele rio. Foram percorridos mais de 19km de terraço fluvial, ao longo da margem direita, entre a ponte da Munheca e a barroca da Castanheira. Neste troço do rio podemos afirmar que a mancha de exploração mineira é praticamente ininterrupta variando a largura da faixa explorada entre 100m e 1500m. Em articulação com a actividade extractiva, identificou-se uma barragem de aterro e observaram-se níveis anormais de assoreamento do rio e de alguns dos seus afluentes. Admite-se, de igual modo, que os sítios arqueológicos, romanos, da Granja (Ladoeiro) e da Senhora de Mércoles (Castelo Branco) estejam associadas a esta área mineira, e um deles pode ter sido centro administrativo. Palavras-chave: Mineração aurífera; Época romana; Terraços fluviais; Rio Ponsul; Castelo Branco.

At the VI Simpósio Sobre a Mineração e Metalurgia Históricas no Sudoeste Europeu, held in Vila Velha de Ródão in 2010, an oral talk entitled Ancient gold, open cast mining at the center and southern regions of the District of Castelo Branco, was authored by Francisco Henriques, Carlos Batata, Mário Chambino, João Carlos Caninas and Pedro P. Cunha. This presentation made an overview on the latest knowledge about the open cast gold mines – usually and seldomly named as conheiras -, attributed to the Roman period, and located in genetic relation to the main rivers and tributaries that cross the territory. In that work, and somehow contradicting the examples of other rivers (Erges, Aravil, Ocreza and Tejo), for the Ponsul river was pointed out a single area called Ponte do Ponsul. Ulteriorly, to fulfil the lack of information was made specific fieldwork along its river margins. More than 19km of river terraces were mapped, along the right riverbank, between the Munheca bridge and Castanheira stream. In this sector of the river, the mining area is pratically continuous extending parallel to the bank by a zone between 100m and 1500m wide. In articulation with the mining operation, mining areas and fronts, tailing piles, an earth-fill dam, water channels and the abnormal aggradation of the Ponsul river and some tributaries were found. In the same way, it is considered that the Roman archaeological sites of Granja (Ladoeiro) and Senhora de Mércoles (Castelo Branco) are intrinsically related with this mining area, and one of them may have been the administrative centre. Keywords: Gold mining, Roman Period, River Terraces, Ponsul river, Castelo Branco.

Lengua: 
Área geográfica: 
Palabras clave: 
Última modificación: 
09/01/2020 - 21:13