Migrações internacionais de trabalhadores do Sotavento do Algarve

Autores

Tipología: 
Artículo de revista
Título de la revista: 
Finisterra. Revista Portuguesa de Geografia
Año: 
1971
Volumen: 
6
Número: 
11
Páginas: 
41-83
Sinopsis de contenido: 

[Resumo extraido da fonte]

O estudo geográfico de muitas regiões recorda-nos ou revela-nos a existência de migrações de trabalhadores rurais, sempre rítmicas e dilatando-se por espaços regionais ou distantes, por vezes também estrangeiros e, neste caso, nem sempre separados por uma única fronteira. Citem-se, por exemplo, os ceifeiros do Alentejo, recrutados nas Beiras ou na Serra Algarvia, e as rogas de Trás-os-Montes, uns e outras internando-se não raras vezes en Espanha; ou os trabalhadores italianos e espanhóis que asseguram a vindima no Baixo Languedoc e a repicagem do arroz do Camargue; do mesmo tipo eram ainda as migrações de jornaleiros belgas para a colheita da beterraba da Bacia Parisiense. 

Na sua génese intervêm os desequilibrios das densidades demográficas agrícolas definidas sob o ponto de vista técnico, ou seja, a existência de mercados de mão-de-obra caracterizados temporàriamente por uma procura superior à oferta, mas mercados que tendem a atrofiar-se pela busca de uma maior productividade através da mecanização, sempre que o recrutamento dos trabalhadores sazonais se torna difícil e o seo custo se impõe como variável de descimento acelerado na contabilidade das explorações.

Lengua: 
Última modificación: 
16/06/2021 - 22:40