Pasar al contenido principal

Bibliografía multidisciplinar de la frontera hispano-portuguesa

Mostrando 61 - 70 de 4832
Sin elementos
ID Tipología Título Ruta Título de la revista Título del libro Título del volumen Siglas Autores Autoría Autor normalizado Editores del libro Editores del volumen Director Tipo de comunicación Tipo de audiovisual Fecha Localidad Editorial Organismo Universidad Frecuencia Año Año del primer número Año de finalización ISSN/Dep. Legal Volumen Número Páginas Duración (min.) Descripción ISBN DOI Sitio web Publicación Sinopsis de contenido Notas Reseñas Lengua Tema Área geográfica Palabras clave (campo indexado) Fichas bibliográficas relacionadas
181846 Actas de congreso A ditongación goianesa: Unha evolución particular do /è/ tónico galego /es/fichas-bibliograficas/ditongacion-goianesa-unha-evolucion-particular-do-e-tonico-galego

A Lingua Galega: historia e actualidade: Actas do I Congreso Internacional (Santiago de Compostela, 16-20 de setembro de 1996)

Pousa Ortega, Helena

Pousa Ortega, Helena

Álvarez Blanco, Rosario; Fernández Rei, Francisco; Santamarina, Antón

Santiago de Compostela Consello da Cultura Galega / Instituto da Lingua Galega 2004 vol. IV, pp. 383-392 84-96530-22-1 https://minerva.usc.es/xmlui/handle/10347/9910 gallego Lengua, Fonética y fonología ESPAÑA, PONTEVEDRA, Tomiño Goián, diptongos
181770 Artículo de revista A divisão do galego-português em português e galego, duas línguas com a mesma origem /es/fichas-bibliograficas/divisao-do-galego-portugues-em-portugues-e-galego-duas-linguas-com-mesma

Revista Philologus

Areán-García, Nilsa

Areán-García, Nilsa 2011 17 49 7-15 http://www.usp.br/gmhp/publ/AreA7.pdf

[Resumen extraído de la fuente original]

Na Alta Idade Média, de acordo com Silva Neto (1977, p. 329-331, 344-345), era notória no ocidente da península Ibérica uma diferença cultural e linguística entre as terras situadas ao norte e ao sul do rio Douro, coincidindo com a divisão dos territórios administrativos romanos: Lusitania e Galaecia; esta última coincidiu também com o território do reino suevo que, segundo Monteagudo (1999, p. 69), foi fundamental para o início das particularidades distintivas do galegoportuguês diante dos demais falares românicos da península. No entanto, foi a partir do processo de Reconquista cristã que o rio Minho, e não mais o Douro, se consolidou como a fronteira cultural entre a Galiza e os territórios em poder dos islâmicos, com outras culturas e outros falares. De fato, o rio Minho já se tornara a fronteira, ainda não definitiva, entre os cristãos e os muçulmanos durante o reinado de Afonso I (739-757), mesmo durante o reinado de Afonso III (866-910), quando os cristãos já ultrapassaram o rio Douro com a Reconquista, o território entre o Douro e o Minho, ainda era uma região estratégica e instável pelas constantes lutas e batalhas ali travadas. Em 1093, durante o reinado de Afonso VI (1065-1109), houve a divisão da Galiza e a criação do Condado Portucalense, tendo justamente o rio Minho como marca divisória, que se tornou definitivamente a fronteira em 1179 com a criação do Reino de Portugal, constituindo também, até os dias de hoje, a fronteira linguístico-cultural entre o galego e o português. Palavras-chave: Galego-português. Origem das línguas. Origem do português. Origem do galego. História do português. História do galego.

portugués Lengua, Lingüística histórica y etimología, Historia externa ESPAÑA, OURENSE, PONTEVEDRA, PENÍNSULA IBÉRICA, PORTUGAL Reconquista, historia del gallego, historia del portugués
177571 Libro A doçaria de Beja na tradição provincial: apontamentos de etnografia /es/fichas-bibliograficas/docaria-de-beja-na-tradicao-provincial-apontamentos-de-etnografia

Brito, Castro

Brito, Castro e Lisboa Tip. Ed. Império 1940 29 portugués Pensamiento y mundo cultural, Antropología y etnología, Descripciones de aspectos concretos PORTUGAL, BEJA alimentación
182549 Capítulo de libro A economia agrária do Algarve, na transição do Antigo Regime para o Liberalismo (1790-1836) /es/fichas-bibliograficas/economia-agraria-do-algarve-na-transicao-do-antigo-regime-para-o-liberalismo

Estudos III

Mesquita, José Carlos Vilhena

Mesquita, José Carlos Vilhena Faro Universidade do Algarve 2009 143-195 978-972-99397-3-0 https://www.academia.edu/40307809

[Resumo proveniente da fonte]

No período em análise, o Algarve enquanto região periférica, estruturou as suas principais actividades económico-produtivas no sector primário. Porém, a situação económica da agricultura algarvia foi sempre deficitária, mercê dos baixos índices de produtividade e de rendimento, suscitados pela desigual distribuição social da propriedade, pelo baixo investimento financeiro e pelo atraso científico-tecnológico, que – desde o período de reestruturação político-económica levado a cabo nos finais do séc. XVIII pelo consulado pombalino – dependia da reformulação de novas estratégias para a potencialização dos recursos endógenos. Além disso, os factores naturais de dinamismo energético, como a amenidade climática, os recursos hídricos e a fertilidade dos solos, só foram aproveitados na vigência do Liberalismo, e com especial acuidade no declinar de Oitocentos. Acrescente-se, por fim, que o sector dependia de factores extrínsecos, como a estrutura social da terra, a educação agrícola, o investimento integrado e as leis de mercado, entre outros elementos de fomento ou de desagregação do sector. Por outro lado, vemos que essa dualidade se distribuía numa geo-economia do espaço entre a beira-mar e as terras altas da serra algarvia. Neste ensaio analisamos as potencialidades da região numa emergente economia agrária de tipo capitalista, e o seu débil aproveitamento no contexto do mercado europeu. Palavras-chave: Agricultura no Algarve; Liberalismo e economia agrária; História Económica do Algarve.

During the period under study, Algarve, an outlying region, structured its main economic-productive activities in the primary sector. The agricultural economic situation in Algarve has nonetheless always been deficient, subject to low productivity and income indices, generated by unequal social distribution of property, low financial investments and scientific-technological delays which since the politico-economic restructuring period carried out at the end of the 16th century by the Pombalino consulate, depended on the reformulation of new strategies in endogenous resource empowerment. Additionally, the natural factors of energetic dynamics such as climate amenities, water resources and soil fertility were only exploited during the Liberalism period, with special acuity at the end of the 1800s. Furthermore, the sector depended on extrinsic factors such as the social structure of earth, agricultural education, integrated investment and market laws among other developmental or degenerate sector elements. On the other hand, we observe that this duality is distributed in geo-economic form, between Algarve’s coastland and mountain inlands. In this study, we analyse the region’s potential in an emerging agrarian economy of capitalist nature, and it’s debile use in the European market context. Key-words: Agriculture in Algarve, Liberalism and agrarian economics, Economic History of Algarve.

portugués Geografía, Economía, Mundo físico, Agricultura y zootecnia, Pensamiento y mundo cultural, Historia, Edad Contemporánea, Edad Moderna PORTUGAL, FARO
180240 Artículo de revista A épico-lírica rusticidade mirandesa, na mais bela expressão poética do P.e Manuel José Preto, em Bersos mirandeses, seu livro póstumo /es/fichas-bibliograficas/epico-lirica-rusticidade-mirandesa-na-mais-bela-expressao-poetica-do-pe

Brigantia

Mourinho, António Maria

Mourinho, António Maria 1993 XIII 1-2 17-34 portugués Literatura, Producción literaria creada en la frontera hispano-portuguesa PORTUGAL, BRAGANÇA, Miranda do Douro poesía
179057 Libro A epigrafia da Idade do Ferro do Sudoeste da Península Ibérica /es/fichas-bibliograficas/epigrafia-da-idade-do-ferro-do-sudoeste-da-peninsula-iberica

Correia, Virgílio Hipólito

Correia, Virgilio Hipólito Porto Ed. Etnos 1996 215 972-96935-0-1

ÍNDICE: Introdução ││Capítulo 1. Arqueologia e epigrafia no Baixo Alentejo ││ Capítulo 2. Análise estilística dos suportes ││ Capítulo 3. Os signos. Paleografia e fonética ││ Capítulo 4. A língua e os textos ││ Capítulo 5. A evolução da escrita ││ Conclusão ││ Corpus │ Nota à estrutura do corpus │ Inscripções 1-81 ││ Apêndices │ Quatro sinóptico das variantes paleográficas │ Léxico das inscrições │ Referências cartográficas dos locais de proveniência │ Tábua de concordâncias │ Bibliografia │ Estampas ││ Índices │ Onomástico │ Geográfico │ Ideográfico │ Figuras

portugués Lengua, Lexicología y lexicografía, Trabajos onomasiológicos y semasiológicos, Pensamiento y mundo cultural, Historia, Arqueología, Prehistoria y Edad Antigua ESPAÑA, BADAJOZ, Badajoz, Higuera la Real, PORTUGAL, BEJA, Moura, Mértola, FARO, Alcoutim, Castro Marim, Tavira Edad de Bronce, antiguos poblamientos, epigrafía y otras inscripciones, historiografía, paleografía
182238 Trabajo inédito A Ermida de Nossa Senhora da Consolação - Forcalhos (Sabugal) /es/fichas-bibliograficas/ermida-de-nossa-senhora-da-consolacao-forcalhos-sabugal

Jorge, Carlos Henrique Gonçalves

Jorge, Carlos Henrique Gonçalves 2014 137 https://www.academia.edu/20333999

ÍNDICE: Introdução | As ruínas | Fundação da ermida | Ermitões e Administradores | A ermida ao longo dos tempos | As últimas imagens | Obras e reabertura ao culto | Bibliografia | Fotografias e documentos

portugués Pensamiento y mundo cultural, Arte, Otros - Arte, Otros - Pensamiento y cultura PORTUGAL, GUARDA, Sabugal arquitectura religiosa, corpus documental, fotografías
182508 Artículo de revista A Ermida de São Bartolomeu - Contributos para a sua história /es/fichas-bibliograficas/ermida-de-sao-bartolomeu-contributos-para-sua-historia

Notícias de Castro Marim

Pires, Pedro

Autor
Pires, Pedro 2017 21 74-76 https://www.academia.edu/35959919 portugués Pensamiento y mundo cultural, Arte, Artes plásticas PORTUGAL, FARO, Castro Marim São Bartolomeu do Sul, arquitectura religiosa
180135 Artículo de revista A escrita quotidiana como património etnográfico na Terra de Miranda: o exemplo de António Maria Mourinho /es/fichas-bibliograficas/escrita-quotidiana-como-patrimonio-etnografico-na-terra-de-miranda-o-exemplo

Studia Zamorensia

Santana, María Olinda Rodrigues

Santana, Maria Olinda Rodrigues 2011 10 107-132 https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/4156527.pdf

[Resumen extraído de la fuente original]

Neste artigo estabelece-se uma relação entre os escritos quotidianos (registros escritos, sonoros, fotográficos, impressos) produzidos e recebidos durante mais de 60 anos pelo pesquisador mirandês António Maria Mourinho (1917-1996) e as experiências etnográficas marcadas nessa escrita. O autor produziu uma pesquisa interdisciplinar no campo das ciências humanas e sociais, e projetou a língua e cultura mirandesas ao nível nacional e internacional. Os resultados da pesquisa e da difusão da sua língua materna serviram para resgatar do esquecimento e a perda do mirandês, e contribuíram para o reconhecimento dos direitos lingüísticos dos mirandeses, em 1999, ao ser inscrita a língua mirandesa no quadro das línguas minoritárias européias, como valor lingüístico-cultural a ser preservado. PALAVRAS CHAVE: escritura quotidiana, etnografia, língua mirandesa.

En el presente texto hago una relación de la escritura cotidiana (registros escritos, sonoros, fotográficos, impresos), producida y recibida durante más de 60 años, por el investigador mirandés António Maria Mourinho (1917-1996), uniendo esa escritura a las experiencias etnográficas impresas en ella. El autor produjo una investigación multidisciplinar en el ámbito de las Ciencias Humanas y Sociales y proyectó la lengua y la cultura mirandesa a nivel nacional e internacional. Su investigación y la divulgación conseguida sobre su lengua materna sirvieron para rescatar al mirandés del olvido y abandono, llevando al reconocimiento de los derechos lingüísticos de los mirandeses, en 1999, e inscribiendo a la lengua mirandesa en el cuadro de las lenguas minoritarias europeas, bellezas lingüístico-culturales a cultivar y a preservar. PALABRAS CLAVE: escritura cotidiana, etnografia, lengua mirandesa.

portugués Lengua, Historiografía lingüística, Pensamiento y mundo cultural, Antropología y etnología, Otros - Antropología PORTUGAL, BRAGANÇA, Miranda do Douro mirandés, escritura cotidiana, Mourinho, António Maria
179552 Libro A estátua-menir de “ataúdes” (Figueira de Castelo Rodrigo, Guarda) no seu contexto regional /es/fichas-bibliograficas/estatua-menir-de-ataudes-figueira-de-castelo-rodrigo-guarda-no-seu-contexto

Vilaça, Raquel et al.

Vilaça, Raquel Viseu Centro de Estudos Pré-Históricos 2001 17 https://www.academia.edu/821918/A_est%C3%A1tua_menir_de_Ata%C3%BAdes_Figueira_de_Castelo_Rodrigo_Guarda_no_seu_contexto_regional

[Resumo extraido da fonte] 

Nos inícios de Julho de 2001, o INstituto de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra foi contactado pela Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo, na pessoa do seu Técnico Superior, Dr. Paulo Santos, no sentido de avaliar o potencial interesse de um "menir" com motivos gravados existente na "Quinta dos Marcelinos", Figueira de Castelo Rodrigo. As fotografias que, então, nos foram apresentadas, bastaram para confirmar não só o interesse arqueológico do monumento, como denunciavam a existência de mais de uma estátua-menir, particularmente importante pelos peculiares atributos que exibia. Ficou definida uma visita ao ocal, para observação directa deste achado fortuito, que se efectuou cerca de uma semana mais tarde. Nesta primeira abordagem directa, em que participaram dois dos signatários (R.V. e J.N.M), confirmou-se de novo todo o interesse do monumento e, por isso, também se decidiu proceder ao seu estudo. Iniciaram-se, de imediato, os contactos necessários para que al se concretizasse. Assim. assegurou-se, primeiro, junto do Instituto Português de Arqueologia (extensão da Covilhã), não existir qualquer projecto de investigação sobre este tipo de vestígios e peíodo cronológico que ivesse por base a área geográfica em causa. Contactaram-se, depois, o propietário, Sr. António Amaro Fonseca, que permitiu a limpeza e o estudo da peça, o Presidente da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo, que foi informado do interesse do monumento, bem como o Instituto Português de Arqueologia, ao qual se requereu a autorização necessária para o seu estudo. Os trabalhos de campo decorreram de 30 de Julho a 2 de Agosto de 2001 sob a orientação dos autores. Contámos então com o apoio da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo, Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e Centro de Estudos Pré-hisóricos da Beira. 

Separata de Estudos Pré-Históricos, IX

portugués Geografía, Descripción geográfico-histórica de un territorio, Mundo físico, Geografía física. Geología, Pensamiento y mundo cultural, Arte, Artes plásticas, Historia, Arqueología, Prehistoria y Edad Antigua ESPAÑA, SALAMANCA, Bouza, La, PORTUGAL, GUARDA, Figueira de Castelo Rodrigo, Meda, VIANA DO CASTELO, Monção, Paredes de Coura, VILA REAL, Chaves Edad de Bronce, antiguos poblamientos, monolitos, escultura