Etnografia portuguesa. Aspectos da medicina popular no Baixo Alentejo. As rezas e as benzeduras (II)

Tipologia: 
Artigo de revista
Título da revista: 
Arquivo de Beja
Ano: 
1946
Volume: 
III
Número: 
1-2
Páginas: 
52-69.
Sinopse do conteúdo: 

[Resumo extraido da fonte]

 E quasi infindável a série de "orações, rezas e benzeduras" a que o povo reorre para encontrar remédio para seus males, que físicos, quer morais. Continuaremos hoje como os primeiros, reservando para futuros trabalhos estes últimos. E vulgar ouvir dizer que Fulano está "desmanchado" (tem um desmancho) e vai ou foi "amanhar-se" ao "vertusco". E uma prática muito corrente entre a gente do nosso povo, simples, ingénua, crente. Trata-se, quasi sempre, de doença ou lesão interna provocada por forte traumanismo e que denominam por "Espinhela caida" ou "ventre caido". Colhêmos duas orações diferentes, uma para o primeiro, outra para o segundo, embora outros considerem o "ventre caido" e a "espinhela caida" como uma mesma coisa.

Língua: 
Última modificação: 
10/03/2022 - 10:32