Caracterização nutricional e propriedades bioactivas de espécies silvestres da etnoflora transmontana tradicionalmente consumidas em verde

Tipologia: 
Atas de congresso
Título do volume: 
Atas. 11º Encontro de Química dos Alimentos. Qualidade dos alimentos: novos desafios
Localidade: 
Bragança
Editorial: 
Instituto Politécnico de Bragança
Ano: 
2012
ISBN: 
978-972-745-141-8
Sinopse do conteúdo: 

[Resumo proveniente da fonte]

Determinou-se a composição nutricional e a atividade antioxidante de quatro variedades tradicionais de tomate da região de Trás-os-Montes, conhecidas como amarelo, batateiro, comprido e coração. Analisaram-se cromatograficamente ácidos gordos, açúcares e tocoferóis, bem como vitamina C, β-caroteno, licopeno, fenóis, flavonóis e antocianinas. A atividade antioxidante foi avaliada através dos ensaios da capacidade captadora de radicais DPPH, do poder redutor e da inibição da peroxidação lipídica no sistema β-caroteno linoleato e na presença de TBARS em homogeneizados cerebrais. A variedade de tomate batateiro demonstrou a maior atividade antioxidante (valores EC50 ≤ 1,63 mg/mL) e o maior teor em compostos fenólicos (fenóis totais 31,23 mg/g extrato, flavonóis 6,36 mg/g extrato e antocianinas 3,45 mg/g extrato) e carotenoides (βcaroteno 0,51 mg/100 g e licopeno 9,49 mg/100 g), enquanto que a variedade de tomate amarelo revelou uma interessante composição nutricional, apresentando níveis elevados de frutose (3,42 g/100 g), glucose (3,18 g/100 g), ácido α-linolénico (15,53%) e tocoferóis totais (1,44 mg/100 g). No geral, as variedades tradicionais de tomate estudadas, cultivadas no Nordeste de Portugal, poderão contribuir como importante fonte de antioxidantes relacionados com a prevenção de doenças crónicas associadas ao stresse oxidativo, como o cancro e doença arterial coronária. Por outro lado, os resultados validam e confirmam a importância dos usos locais destas variedades.

Língua: 
Área geográfica: 
Palavras-chave: 
Última modificação: 
02/08/2019 - 14:23