A jazida mustierense de Cobrinhos, Vila Velha de Ródão (Portugal)

Tipologia: 
Atas de congresso
Título do volume: 
II Congresso Internacional de Arqueologia da região de Castelo Branco nos 100 anos da Sociedade dos Amigos do Museu de Francisco Tavares Proença Júnior
Editores de volume: 
Vilaça, Raquel (coord.)
Localidade: 
Castelo Branco
Editorial: 
Sociedade dos Amigos do Museu de Francisco Tavares Proença Júnior
Ano: 
2016
Páginas: 
135-150
ISBN: 
978-989-8289-71-1
Sinopse do conteúdo: 

[Resumo proveniente da fonte]

Vila Velha de Rodão é particularmente conhecida pela presença de sítios moustierenses de ar livre, alguns deles com muito boa preservação. Dentro destes, destacam-se Foz do Enxarrique (33.4 ka), com a maior colecção de restos faunísticos em contexto de ar livre moustierenses em Portugal e Vilas Ruivas (68 ka +35 ka/−26 ka e 51 ka +13 ka/−12 ka), uma das muito poucas, também de ar livre, com lareiras, buracos de poste, e a única com para-ventos. No presente artigo apresentamos Cobrinhos, um novo sítio moustierense identiicado no Outono de 2014, a 2,3 km para montante da Foz do Enxarrique, durante a ampliação da fábrica de papel da AMS, S.A.. Dada a urgência da intervenção, sem possibilidade de alteração do projecto ou do calendário de obra, foi necessário proceder de forma muito mais expedita do que é usual. Os resultados preliminares mostram que o nível ocupacional, constituído por várias dezenas de milhares de peças, se encontra disperso por cerca de 2500 m2 , concentrado numa área de 1600m2 , mas bem delimitado verticalmente numa facha de 40cm, sem se veriicarem quaisquer misturas com artefactos de outras épocas. Apesar de ainda não se encontrar datado, as características de Cobrinhos, principalmente no que diz respeito à sua implantação, mostraram que o conhecimento do Paleolítico na região está longe de se encontrar esgotado e que o seu progresso poderá depender do redireccionamento da investigação para sectores ainda não explorados. Palavras-chave: Paleolítico; Mustierense; Ródão.

Vila Velha de Rodão is particularly known by the presence of open-air Mousterian sites, some of them with great preservation. Among the last, stand out Foz do Enxarrique (33.4 ky), with the largest collection of faunal remains in Mousterian openair contexts in Portugal and Vilas Ruivas (68 ka +35 ka/−26 ka and 51 ka +13 ka/−12 ka), one of the very few, also open-air, with residential structures such as hearts, post-holes and windshields. In this paper we present Cobrinhos, a new Mousterian site found in the fall of 2014, 2.3km upstream of Foz do Enxarrique, during the expansion of the AMS, S.A. paper factory infrastructures. Due to the urge of the intervention, without any possibility of changes of the project or schedule, it was necessary to proceed in a much more expedite fashion than usual. The preliminary results show that the occupational level, composed of several dozen thousand artifacts is dispersed though 2500 m2 , but especially concentrate in an area of 1600m2 and well delimited in a vertical strip of 40cm, without any admixture with artifacts of other periods. Although it is not yet dated, the characteristics of Cobrinhos, especially in what concerns to its setting, showed that the knowledge of the Paleolithic in the region is far from being exhausted and that the progress of its investigation might depend of the redirection of the research to sectors yet to be explored. Keywords: Paleolithic; Mousterian; Ródão.

Língua: 
Última modificação: 
03/01/2020 - 18:49