A economia agrária do Algarve, na transição do Antigo Regime para o Liberalismo (1790-1836)

Tipologia: 
Capítulo de livro
Título do livro: 
Estudos III
Localidade: 
Faro
Editorial: 
Universidade do Algarve
Ano: 
2009
Páginas: 
143-195
ISBN: 
978-972-99397-3-0
Sinopse do conteúdo: 

[Resumo proveniente da fonte]

No período em análise, o Algarve enquanto região periférica, estruturou as suas principais actividades económico-produtivas no sector primário. Porém, a situação económica da agricultura algarvia foi sempre deficitária, mercê dos baixos índices de produtividade e de rendimento, suscitados pela desigual distribuição social da propriedade, pelo baixo investimento financeiro e pelo atraso científico-tecnológico, que – desde o período de reestruturação político-económica levado a cabo nos finais do séc. XVIII pelo consulado pombalino – dependia da reformulação de novas estratégias para a potencialização dos recursos endógenos. Além disso, os factores naturais de dinamismo energético, como a amenidade climática, os recursos hídricos e a fertilidade dos solos, só foram aproveitados na vigência do Liberalismo, e com especial acuidade no declinar de Oitocentos. Acrescente-se, por fim, que o sector dependia de factores extrínsecos, como a estrutura social da terra, a educação agrícola, o investimento integrado e as leis de mercado, entre outros elementos de fomento ou de desagregação do sector. Por outro lado, vemos que essa dualidade se distribuía numa geo-economia do espaço entre a beira-mar e as terras altas da serra algarvia. Neste ensaio analisamos as potencialidades da região numa emergente economia agrária de tipo capitalista, e o seu débil aproveitamento no contexto do mercado europeu. Palavras-chave: Agricultura no Algarve; Liberalismo e economia agrária; História Económica do Algarve.

During the period under study, Algarve, an outlying region, structured its main economic-productive activities in the primary sector. The agricultural economic situation in Algarve has nonetheless always been deficient, subject to low productivity and income indices, generated by unequal social distribution of property, low financial investments and scientific-technological delays which since the politico-economic restructuring period carried out at the end of the 16th century by the Pombalino consulate, depended on the reformulation of new strategies in endogenous resource empowerment. Additionally, the natural factors of energetic dynamics such as climate amenities, water resources and soil fertility were only exploited during the Liberalism period, with special acuity at the end of the 1800s. Furthermore, the sector depended on extrinsic factors such as the social structure of earth, agricultural education, integrated investment and market laws among other developmental or degenerate sector elements. On the other hand, we observe that this duality is distributed in geo-economic form, between Algarve’s coastland and mountain inlands. In this study, we analyse the region’s potential in an emerging agrarian economy of capitalist nature, and it’s debile use in the European market context. Key-words: Agriculture in Algarve, Liberalism and agrarian economics, Economic History of Algarve.

Língua: 
Área geográfica: 
Última modificação: 
28/09/2019 - 10:09