A cidade e o seu território no Gharb Al-Andalus através da cerâmica

Tipologia: 
Atas de congresso
Título do volume: 
Actas do X Congresso Internacional A Cerâmica Medieval no Mediterrâneo
Editores de volume: 
Gómez Martínez, Susana; Gonçalves, Maria José (coords.)
Localidade: 
Silves / Mértola
Editorial: 
Câmara Municipal de Silves / Campo Arqueológico de Mértola
Ano: 
2016
Páginas: 
19-50
ISBN: 
978-972-9375-48-4
Sinopse do conteúdo: 

[Resumo proveniente da fonte]

Um dos principais elementos caracterizadores da sociedade islâmica medieval é a predominância da cidade na organização territorial e a sua estreita interligação com o meio rural que a envolve. Esta relação campo/cidade é o resultado de um longo processo de reorganização do povoamento e da sua articulação territorial, a partir das realidades da Antiguidade Tardia. As formas de articulação dessa relação, o raio de influência de cada cidade e a eventual existência de territórios intersticiais fora do âmbito de influência urbana, com marcadas diferenças em relação aos anteriores, são aspectos que importa analisar. Também é importante dirimir, no caso existia um modelo de articulação territorial, se este se aplica de forma homogénea a territórios diversos ou, se existem diferenças regionais marcadas, nas formas de articular os povoamentos urbano e rural. A cerâmica, como mais abundante testemunho material da vida das populações medievais, será um indicador privilegiado para espelhar esta relação entre a madina e o seu alfoz, bem como a evolução da mesma ao longo dos séculos. Partindo destes pressupostos, o Grupo CIGA pretende aprofundar o conhecimento das a…nidades e diferenças entre as cerâmicas da cidade e do seu território, na região do Gharb al-Ândalus inserida no actual espaço português. Tendo em conta a dimensão do território contemplado, esta comunicação de síntese debruçar-se-á sobre quatro casos de estudo, centrados em quatro das suas regiões mais significativas: Coimbra, Estuários do Tejo e Sado, eixo Beja-Mértola e eixo Faro-Silves. A análise de carácter comparativo deve contemplar, necessariamente, uma caracterização técnica e morfológica das diferentes regiões estudadas e as características dessa relação ao longo do tempo. A abundância de dados obriga-nos a sistematizar a informação em categorias cronológicas e territoriais apriorísticas, certamente mais rígidas do que seriam as realidades concretas.

Língua: 
Área geográfica: 
Palavras-chave: 
Última modificação: 
16/02/2020 - 13:57